quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Oito dicas para abrir uma empresa (parte 2)

Especialistas orientam o empresário nas principais etapas para começar um novo negócio

Por Andressa Trindade para PE&GN00

 Shutterstock

5. Contratação inicial de mão de obra
O plano de negócios, feito antes de a empresa começar a funcionar, deve conter um cálculo cuidadoso do volume de operações do empreendimento e do número de funcionários necessário para manter essa atividade.
Para Sandra Fiorentini, consultora jurídica do Sebrae-SP, o empresário precisa verificar a sazonalidade do negócio que vai iniciar e, a partir disso, quantos funcionários deverá ter e quantas horas deverão trabalhar. De acordo com Sandra, o contrato chamado “a tempo parcial” permite uma jornada de trabalho de até 25 horas semanais, sem hora extra e com registro em carteira de trabalho. O modelo é adequado, por exemplo, para o segmento de lojas e restaurantes: com demanda de clientes maior nos finais de semana, é necessária a contratação de mão de obra para esses dias específicos. O empresário remunera esse profissional multiplicando o valor por hora do piso salarial da categoria pelo número de horas trabalhadas. “Assim, não há ociosidade de funcionários, há considerável redução de custos e a prática está totalmente de acordo com a lei”, afirma Sandra.
6. Cálculo dos custos de abertura da empresa
Além dos custos com infraestrutura e pessoal, é preciso levar em consideração os custos com a abertura da empresa em si. Os principais gastos para abrir uma empresa são as taxas da junta comercial e da emissão do alvará, além de outras que variam entre estados. Segundo Sandra Fiorentini, do Sebrae-SP, o custo total é de entre R$ 700 e R$ 2 mil.
O empresário pode fazer a opção de contratar um profissional apenas para resolver a burocracia, como um despachante ou um consultor, como geralmente fazem os contadores. Esse tipo de escolha influencia os gastos de abertura do negócio. Sevilha Júnior afirma que o preço dos escritórios contábeis pode variar até 200%, mas normalmente fica em torno de R$ 1.500. Advogados também podem ser contratados para orientação e também para serviços mais técnicos.
7. Pagamento de pró-labore e lucros
Um erro muito comum do empresário, segundo Vicente Sevilha Júnior, é se esquecer de contabilizar o seu próprio pagamento pelo trabalho que realiza no negócio. “Na hora de montar uma empresa, todas as contas dos gastos mensais são feitas, mas os empresários esquecem que precisam de um salário para passar o mês. Essa remuneração é chamada de pró-labore e deve fazer parte dos custos”, esclarece.
Os sócios que trabalham diretamente na administração do negócio têm direito a receber essa remuneração tributada, que corresponde a um salário compatível com a função desempenhada. “A melhor regra para definir esse valor é ter como base os salários de mercado”, explica Sevilha Júnior. Desde 2003, a legislação permite que administradores não-sócios também recebam pró-labore.
A distribuição de lucros deve ser feita na mesma proporção do valor investido na empresa. Outra maneira de pagamento para sócios são os juros sobre capital próprio, referentes ao valor que foi investido, por exemplo, na compra de máquinas e equipamentos.
8. Escolha do contador

Para escolher um profissional sério e capacitado, principalmente que dê orientação ao empresário iniciante, é aconselhável fazer uma pesquisa do registro do profissional no Conselho Regional de Contabilidade – em alguns estados, é possível fazer a consulta pela internet. Sevilha Júnior também recomenda visitas ao escritório do profissional e conversas com outros clientes atendidos por ele. “Uma sugestão é procurar profissionais que atendam empresas do mesmo segmento do empreendedor”, afirma Sandra Fiorentini.

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Oito dicas para abrir uma empresa (parte 1)

Especialistas orientam o empresário nas principais etapas para começar um novo negócio

Por Andressa Trindade para PE&GN

 Shutterstock

Começar um negócio de sucesso não é só encontrar um ramo de atuação, um nicho de mercado e o perfil certeiro de cliente. No processo de abertura da empresa em si, é preciso estar atento em todos os passos e detalhes mais técnicos desse processo, como o contrato social, a tributação e a escolha do imóvel. São questões importantes que, se mal resolvidas, podem atrapalhar os planos do empresário. Confira a seguir oito dicas de especialistas para enfrentar esses passos de maneira mais eficiente e segura.
1. Confecção do contrato social
Na abertura do negócio, o empresário deve atentar na confecção do contrato social, em que são relacionados aspectos práticos do funcionamento do negócio, como definição básica da empresa (nome, endereço e atividade), o capital social (valor ou bens investidos), a relação entre os sócios e a divisão dos lucros.
Uma maneira de agilizar o registro do contrato social é procurar o sindicato da categoria da empresa e verificar se possui um posto avançado da junta comercial. Assim, o procedimento, que geralmente demora cinco dias para ser concluído, pode ficar pronto em 24 horas.
De acordo com o contador Vicente Sevilha Júnior, autor do livro Assim Nasce Uma Empresa (editora Brasport, R$ 59), é importante ter certeza dos termos especificados no contrato social, porque mudanças de regras, ou seja, alterações contratuais, implicam refazer as inscrições federal, estadual e municipal e as licenças. As modificações, no caso das sociedades limitadas, só podem ser feitas se 75% do capital estiver de acordo. Erros formais, como grafias incorretas, são facilmente resolvidas com retificações no contrato.
2. Escolha do melhor regime de tributação

Na hora de abrir a empresa, o empreendedor deve estudar os três regimes de tributação existentes – Simples, lucro presumido e lucro real – e decidir qual deles é o mais indicado para o negócio. “No início das atividades, a tendência é usar o lucro presumido ou Simples. Como não há histórico, é difícil prever qual será margem de lucro efetiva. Se o negócio indica prejuízos consideráveis nos primeiros anos, o lucro real é o melhor negócio”, afirma Sevilha Júnior.
No sistema do Simples, permitido para empresas com faturamento anual de até R$ 2,4 milhões, a cota de pagamento de imposto varia de acordo com a atividade e o porte da empresa e é crescente em relação ao faturamento – quanto mais a empresa fatura, maior é o valor desse tributo. As alíquotas variam de 4% a 27,9% do faturamento.
3. Escolha do imóvel
Ao instalar a estrutura física do negócio, o empresário deve escolher um local que seja adequado para o seu público-alvo. “Se as classes A e B são o foco do negócio, é interessante oferecer espaço para estacionamento; e se o perfil está nas classes C e D, o empreendedor deve procurar locais mais populares, com fácil acesso a transportes públicos”, exemplifica Sandra Fiorentini, consultora jurídica do Sebrae-SP.
Em relação aos contratos de locação, a consultora observa que muitos empresários costumam alugar o imóvel comercial por um ano apenas. “Eles devem pensar se é por um ano que querem ter a empresa. Por isso é interessante procurar fazer o contrato com o prazo máximo, normalmente de cinco anos. Assim o empreendedor garante o direito de ficar naquele local por pelo menos esse período”, explica Fiorentini.
Com esse contrato, o empresário também tem chances de ser beneficiado com a possibilidade de ação renovatória da locação, que permite mais cinco anos de aluguel, desde que o pedido seja feito até seis meses antes do término do contrato. Outros aspectos que necessitam atenção são negociação de carência para pagamento do aluguel e percentuais de reajuste – itens que podem causar conflito entre inquilino e proprietário.
4. Registros do imóvel e licenças

Antes de assinar um contrato de aluguel, é essencial verificar qual é a condição do Habite-se do imóvel (autorização da prefeitura para que ele possa ser habitado) e as regras de ocupação de solo (cada cidade define regras específicas em leis de zoneamento). Em algumas áreas, não é permitido funcionamento de atividades comerciais. Além disso, imóveis que têm declaração residencial não devem ser usados para fins comerciais.
Quando a empresa já está legalmente constituída, com contrato social, CNPJ e inscrições, zoneamento e Habite-se regularizados, o empresário consegue o alvará de funcionamento. A emissão do documento é taxada pelas prefeituras, com valor aproximado de R$ 100. “Recomendo que a solicitação do alvará seja feita por um engenheiro, que é um profissional qualificado para avaliar zoneamento, Habite-se e condições do imóvel”, afirma Sevilha Júnior.
Outras licenças também podem ser necessárias e dependem da atividade da empresa. Uma indústria, por exemplo, precisa de uma licença ambiental, que vai analisar a melhor maneira para cuidar dos resíduos gerados durante a produção. Em São Paulo, o documento é emitido pela Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb).

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Mensagem de natal!

avatar_de_natalAnte o Natal

Considerando a alta significação do Natal em tua vida, podes ouvir e atender os apelos dos pequeninos esquecidos no grabato (leito pequeno) da orfandade ou relegado às palhas da miséria, em memória de Jesus quando menino; consegues compreender as dificuldades dos que caminham pela via da amargura, experimentando opróbrio e humilhação e dás-lhes a mão em gesto de solidariedade humana, recordando Jesus nos constantes testemunhos; abres os braços em socorro aos enfermos, estendendo-lhes o medicamento salutar ou o penso (curativo) balsamizante, desejando diminuir a intensidade da dor, evocando Jesus entre os doentes que O buscam, infelizes; ofereces entendimento aos que malograram moralmente e se escondem nos recantos do desprezo social, procurando-os para os levantar, reverenciando Jesus que jamais se furtou à misericórdia para os que foram colhidos nas malhas da criminalidade, muitas vezes sob o jugo de obsessões cruéis; preparas a mesa, decoras o lar, inundas a família de alegria e cercas os amigos de mimos e carinho pensando em Jesus, o Excelente Amigo de todos...
Tudo isto é Natal, sem dúvida, como mensagem festiva que derrama bênçãos de consolo e amparo, espalhando na Terra as promessas de um Mundo Melhor, nos padrões estabelecidos por Jesus através das linhas mestras do amor.
Há, todavia, muitos outros corações junto aos quais deverias celebrar o Natal, firmando novos propósitos em homenagem a Jesus.
Companheiros que te dilaceraram a honra e se afastam; amigos que se voltaram contra a tua afeição e se fizeram adversários; conhecidos caprichosos que exigiram alto tributo de amizade e avinagraram tuas alegrias; irmãos na fé que mudaram o conceito a teu respeito e atirarem espinhos por onde segues; colaboradores do teu ideal, que sem motivo se levantaram contra teu devotamento, criatryuw9arndo dissensão e rebeldia ao teu lado; inimigos de ontem que se demoram inimigos de hoje; difamadores que sempre constituíram dura provação. Todos eles são oportunidade para a celebração do Natal pelo seu sentimento cristão e espírita.
Esquece os males que te fizeram e pede-lhes te perdoem as dificuldades que certamente também lhes impuseste.
Dirige-lhes um cartão colorido para esmaecer o negrume da aversão que os manteve em silêncio e à distância, nos quais, talvez, inconscientemente te comprazes.
Provavelmente alguns até gostariam de reatar liames... Dá-lhes esta oportunidade por amor a Jesus, que a todo instante, embora conhecendo os inimigos os amou sem cansaço, oferecendo-lhes ensejos de recuperação.
O Natal é dádiva do Céu à Terra, como ocasião de refazer e recomeçar.
Detém-te a contemplar as criaturas que passam apressadas. Se tiveres olhos de ver percebê-las-ás tristes, sucumbidas, como se carregassem pesados fardos, apesar de exibirem tecidos custosos e aparência cuidada. Explodem facilmente, transfigurando a face e deixando-se consumir pela cólera que as vence implacavelmente.
Todas desejam compreensão e amor, entendimento e perdão, sem coragem de ser quem compreenda ou ame, entenda ou perdoe.
Espalha uma nova claridade neste Natal, na senda por onde avanças na busca da Vida.
Engrandece-te nas pequenas coações, crescendo nos deveres que poucos se propõem executar.
Desde que já podes das os valores amoedados e as contribuições do entendimento moral, distribui, também, as jóias sublimes do perdão aos que te fizeram ou fazem sofrer.
Sentirás que Jesus, escolhendo um humílimo refúgio para viver entre os homens, semeando alegrias incomparáveis, nasce, agora, no teu coração como a informar-te que todo dia é natal para quem O ama e deseja transformar-se em carta-viva para anunciá-lo às criaturas desatentas e sofredoras do mundo.
Somente assim ouvirás no imo d'alma e entenderás a saudação inesquecível dos anjos, na noite excelsa: "Glória a Deus nas alturas, paz na Terra, boa vontade para com os homens" - vivendo um perene natal de bênçãos por amor a Jesus.
Livro: Espírito e Vida

O mestre da estratégia

Um dos pensadores econômicos mais conceituados da atualidade, o professor indiano Vijay Govindarajan acredita que, hoje, a inovação acontece primeiro em países emergentes como Brasil, Índia e China

por Ana Cristina Dib para PE&GN

0,,43748201,00Eleito pelo Financial Times como um dos 50 maiores pensadores do mundo em estratégia, o indiano Vijay Govindarajan garante: os mercados emergentes são os inovadores da vez. Consultor Chefe de Inovação na GE, ele é autor do termo “inovação reversa” — hoje as ideias surgem nos países emergentes, para depois serem exportadas para os mais ricos. Em entrevista a Pequenas Empresas & Grandes Negócios, ele diz que a nova dinâ mica gera oportunidades para pequenas e médias empresas.
Govindarajan participa, em novembro, da HSM ExpoManagement, em São Paulo.
O que é inovação reversa?
Historicamente, as potências investiam em inovação e produziam internamente, para depois exportar aos países em desenvolvimento. Esse processo, difundido na década de 1990, foi denominado glocalização. O termo significa pensar globalmente e atuar localmente. Inovação reversa significa o oposto. É fomentar a inovação em países como China, Índia e Brasil, para depois levá-la aos países ricos.
Os emergentes têm tecnologia para criar bens de consumo competitivos no mercado internacional?
As economias emergentes têm um longo caminho a percorrer. Mas isso não quer dizer que não podem ser competitivas.
Como as pequenas e médias empresas brasileiras podem aproveitar a inovação reversa?
Elas não podem ter medo de arriscar e competir com as multinacionais. O momento é excelente para pequenas e médias empresas porque elas conhecem a fundo o consumidor do país. Como entendem seus hábitos, podem suprir os anseios dos consumidores.
É difícil para empresas menores criarem um ambiente propício para a inovação?
Não. Essas empresas têm todas as ferramentas. São flexíveis, ágeis e empreendedoras, qualidades essenciais para inovar.
Qual a principal barreira para a difusão da inovação reversa?
É preciso promover uma mudança de mentalidade nas companhias que dominam o mercado econômico mundial. A produção da maioria das multinacionais ainda está voltada para indivíduos de alta renda. É preciso atender também pessoas pobres em países pobres, um mercado em potencial que está marginalizado.
Como os empreendedores brasileiros podem competir com Índia, China e Rússia?
O grande desafio é exportar bens de maior valor agregado. É importante também que os integrantes do BRIC (grupo de países emergentes formado por Brasil, Rússia, Índia e China) se enxerguem como parceiros, e não adversários. O mercado não é restrito. Existe espaço para todos, desde que haja competência. Quando esses países se unem e fazem acordos, um supre a deficiência do outro.
Quais os setores em que os empreendedores brasileiros podem encontrar boas oportunidades?
A meu ver, os empresários brasileiros devem investir nos setores de saúde e educação, áreas deficitárias e nas quais o governo não mostra eficiência. Além disso, educação é fundamental para o crescimento do país. É desanimador constatar que muitas vagas em cargos estratégicos não são preenchidas porque falta mão de obra qualificada.

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Apague do seu calendário o hoje e o amanhã–por Ana Maria Braga

Ontem e amanhã
Hoje vou apagar do meu calendário dois dias:
Ontem e amanhã!
Ontem foi para aprender!
Amanhã será uma conseqüência do que posso fazer hoje...
Hoje enfrentarei a vida com a convicção de que este dia nunca mais retornará.
Hoje é a última oportunidade que tenho de viver intensamente...
Hoje terei coragem para não deixar passar as oportunidades que se apresentam, que são as minhas chances de triunfar!
Hoje vencerei cada obstáculo que surgir no meu caminho!
Resistirei ao pessimismo e conquistarei o mundo com um sorriso...
Com uma atitude positiva...
Esperando sempre o melhor!
Hoje usarei o tempo para ser feliz!
Se você carimbar em si mesmo a idéia de que as coisas são difíceis, provavelmente elas serão.
Quando se repete continuamente 'eu não posso' ou 'eu não vou conseguir', as chances de que isso realmente aconteça são bem grandes. portanto, para permanecer longe da influência dos comentários e visões pessimistas dos outros, ative o seu potencial otimista. 
Uma pequena chama em uma sala escura é muito mais forte do que toda a escuridão.

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Nada mais frustrante do que pedir sorvete de sobremesa–por Danuza Leão

DUAS BOLAS, POR FAVOR
Não há nada que me deixe mais frustrada do que pedir sorvete de sobremesa,contar os minutos até ele chegar e aí ver o garçom colocar na minha frente uma bolinha minúscula do meu sorvete preferido.

286sorveteUma só.

Quanto mais sofisticado o restaurante, menor a porção da sobremesa.
Aí a vontade que dá é de passar numa loja de conveniência, comprar um litro de sorvete bem cremoso e saborear em casa com direito a repetir quantas vezes a gente quiser, sem pensar em calorias, boas maneiras ou moderação.

O sorvete é só um exemplo do que tem sido nosso cotidiano.
A vida anda cheia de meias porções, de prazeres meia-boca, de aventuras pela metade.
A gente sai pra jantar, mas come pouco.
Vai à festa de casamento, mas resiste aos bombons.
Conquista a chamada liberdade sexual, mas tem que fingir que é difícil (a imensa maioria das mulheres continua com pavor de ser rotulada de 'fácil').
Adora tomar um banho demorado, mas se contém pra não desperdiçar os recursos do planeta.
Tem vontade de ficar em casa vendo um dvd, esparramada no sofá, mas se obriga a ir malhar.
E por aí vai.
Tantos deveres, tanta preocupação em 'acertar', tanto empenho em passar na vida sem pegar recuperação...
Aí a vida vai ficando sem tempero, politicamente correta e existencialmente sem-graça, enquanto a gente vai ficando melancolicamente sem tesão...

Às vezes dá vontade de fazer tudo “errado”.
Deixar de lado a régua, o compasso, a bússola, a balança e os 10 mandamentos.
Ser ridícula, inadequada, incoerente e não estar nem aí pro que dizem e o que pensam a nosso respeito.
Recusar prazeres incompletos e meias porções.
Nós, que não aspiramos à santidade e estamos aqui de passagem, podemos (devemos?) desejar várias bolas de sorvete, bombons de muitos sabores, vários beijos bem dados, a água batendo sem pressa no corpo, o coração saciado.

Um dia a gente cria juízo.
Um dia...
Não tem que ser agora.

Por isso, garçom, por favor, me traga: cinco bolas de sorvete de chocolate...
Depois a gente vê como é que faz pra consertar o estrago.

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

De retalho em retalho, um presente para você e para o planeta!

cooperárvore.artesanatoA Cooperárvore é uma cooperativa social que, através de costura, silk e artesanato, desenvolve produtos que aliam design, inovação e funcionalidade. Com o olhar voltado para as novas formas de consumo do mundo contemporâneo e o estímulo cada vez maior da reciclabilidade, a cooperativa utiliza, em sua maioria, matéria prima oriunda de outras atividades produtivas, doada pela Rede Fiat de Cidadania. Seu portfólio inclui produtos de artesanato originais e versáteis, para uso nas mais diversas ocasiões.

Criada através do Programa Árvore da Vida – Jardim Teresópolis (www.fiat.com.br/arvoredavida), para gerar oportunidade de fortalecimento humano e geração de trabalho e renda a moradores do Jardim Teresópolis, bairro de Betim (MG), hoje, dezenas de famílias têm, na Cooperarvore, a sua principal fonte de renda. Nesop1ses últimos anos, além das mais de 80.000 peças produzidas e comercializadas pelo grupo, foi gerada uma nova perspectiva de vida aos participantes, onde a criatividade, o esforço e o trabalho resultam uma conquista coletiva e representam fonte de inspiração e orgulho para toda a comunidade do Jardim Teresópolis.

O programa tem como foco o desenvolvimento territorial da área localizada em frente à fábrica da Fiat, uma comunidade formada por cerca de 40 mil pessoas, com altos índices de vulnerabilidade social.

op2Implantado em 2004, elaborado e executado em parceria com as ONGs Fundação AVSI e CDM, propõe um trabalho centrado no desenvolvimento do território, através de atividades socioeducativas, de geração de emprego e renda, e de fortalecimento da comunidade para atender as crianças e jovens e seus públicos de relacionamento como família, escola e instituições locais.

Os resultados obtidos até agora comprovam a assertividade das ações. Houve aumento da aprovação e freqüência dos alunoop3s à escola, bem como do interesse e participação nas aulas, elevando os índices escolares
da região. As ações de geração de emprego e renda também refletiram num aumento da renda das famílias participantes, através da inserção de jovens e adultos no mercado de trabalho e da criação da Cooperárvore.
O comércio, principal vocação econômica da região, passa por um processo de crescimento, gerando ainda mais oportunidades e emprego para os moradores.

O trabalho de fortalecimento da comunidade, que teve como base a formação de gestores e lideranças locais, possibilitou a criação da Rede de Desenvolvimento Social do Jardim Teresópolis, da qual participam hoje 30 instituições da comunidade, que se reúnem periodicamente para buscar, em conjunto, soluções para os principais problemas da região.op4

Quer saber mais? Acesse o site da Cooperárvore AQUI!

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Grandes empresas também nascem na garagem

da redação da revista PE&GN

Amazon.com
Em 1994, quando a internet ainda engatinhava, o analista financeiro Jeffrey Bezos, então com 30 anos, acreditava que a web seria algo popular, que mudaria os paradigmas do mundo dos negócios. Ele achava que a rede se transformaria num excelente canal de vendas para qualquer produto, inclusive livros. Deixou, então, um bom emprego em Wall Street e mudou-se para Seattle, próximo a uma grande distribuidora de livros, e fundou a Amazon, na garagem de casa. Hoje, a empresa fatura US$ 7 bilhões de dólares por ano e atende mais de 40 milhões de pessoas em todo o mundo.

 Divulgação

Apple
Seus fundadores, Steve Jobs e Stephen Wozniak, venderam uma Kombi e uma calculadora científica, suas maiores posses, para reunir capital e montar os primeiros computadores pessoais que o mundo conheceu. Isso em 1976, quando os computadores de grande porte dominavam o mercado. A dupla virou muitas madrugadas trabalhando enfurnada na garagem. Hoje, a Apple, dona do iPod, do iTunes e do iPhone, fatura mais de US$ 6 bilhões ao ano.

 Divulgação

Dell Computers
Michael Dell fundou sua empresa em 1984, quando tinha 19 anos e míseros US$ 1.000 no bolso. Começou a vender os computadores que ele mesmo montava em seu dormitório na Universidade do Texas, nos Estados Unidos. Fatura mais de US$ 30 milhões por ano.
Michael Dell fundou sua empresa em 1984, quando tinha 19 anos e míseros US$ 1.000 no bolso. Começou a vender os computadores que ele mesmo montava em seu dormitório na Universidade do Texas, nos Estados Unidos. Fatura mais de US$ 30 milhões por ano.

Facebook
Em 2004, Mark Zuckerberg, então estudante da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, criou um site para que seus colegas colocassem fotos e trocassem informações. O que parecia despretensioso em pouco tempo se tornou sensação. O Facebook, site montado no dormitório da faculdade, hoje conta com mais de 49 milhões de usuários, 250.000 novos registros por dia e vale US$ 15 bilhões.

 Divulgação

Google
A história do Google começa em 1995 com a criação de um sistema chamado BackRub por dois estudantes de doutorado de ciência da computação: Sergey Brin, russo, 23 anos, e Larry Page, americano, 24 anos. O BackRub ganhou aperfeiçoamentos e gerou, em 1998, o Google e a empresa Google Inc. Quando isso aconteceu, a dupla deixou os dormitórios da Universidade de Stanford e foi se alojar na casa de uma amiga. Hoje, o faturamento da empresa passa dos US$ 3,2 bilhões ao ano.

 Divulgação

HP
Bill Hewlett e Dave Packard iniciaram, em 1939, na garagem da casa de número 367 da Addison Avenue, em Palo Alto, uma das maiores fabricantes de computadores do mundo, a HP. O negócio começou com um capital de US$ 500 e a produção de instrumentos de medição. Hoje fatura mais de US$ 100 bilhões ao ano e está presente em mais de 130 países.

 Divulgação

Microsoft
Em 1975, o trio Bill Gates, Paul Allen e Steve Ballmer, estudantes de Harvard, desenvolveu uma nova versão para substituir a linguagem Basic, que de básica não tinha nada. Era o início da Microsoft. Em 1985, eles assinaram um acordo com a IBM para o desenvolvimento do sistema operacional Windows. De lá para cá, já foram mais de centenas de softwares desenvolvidos e, hoje, faturam mais de US$ 50 bilhões ao ano.

Sony
Foi com uma oficina de fundo de quintal que Akio Morita, presidente da Sony, mudou o panorama empresarial do Japão. Ele e Masaru Ibuka criaram uma companhia de telecomunicações, o embrião da Sony, trabalhando nas ruínas de uma loja de departamentos de Tóquio no pós-guerra. O primeiro salto ocorreu quando Morita convenceu a americana Bell Laboratories a licenciar à sua minúscula companhia a tecnologia para fabricar transistores. Foi assim que a Sony fabricou o primeiro rádio transistorizado no Japão. A fixação por miniaturas fez Morita lançar em 1979 o primeiro walkman. Nenhuma pesquisa indicava que as pessoas queriam um radinho com fones de ouvido, mas Morita levou milhões de pessoas a acreditar que não podiam mais viver sem o aparelho.

YouTube
Eis outra garagem famosa, essa em São Francisco, nos Estados Unidos. Corria o ano de 2005, fevereiro, mais precisamente, quando a dupla Chad Hurley e Steve Chen, então com 27 e 25 anos, respectivamente, criou um programa de computador para dividir vídeos com os amigos. Cerca de 20 meses depois, a invenção foi comprada por US$ 1,65 bilhão pelo Google.

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Maquiagem na Infância

clip_image002

Meninas de 5 e 7 anos freqüentam salões de beleza, usam rímel e batom rosa. Lojas têm recebido linhas específicas para o público infantil.

Segundo os maquiadores Alex e Aless Fenini, garotas se espelham no que as mães usam.

Um comportamento que já se torna comum entre meninas de cinco, sete e até dois anos. Elas se maquiam cada vez mais cedo, seja para ir a um casamento ou para ir à escola.

“Muito brilho, batom rosa, blush, sombra e rímel”

O que as crianças devem usar?

O ideal é usar maquiagens voltadas para o público infantil. “Você retira [os produtos] com água e são menos alergênicos” Além disso, cores mais claras têm menos chance de causar alergia, por causa da quantidade de pigmentos. “Cores claras são melhores, esmaltes escuros, por exemplo, têm mais chance de ter alergia.”

Batons à base de frutas e do tipo gloss podem ser utilizados, pois apresentam pouca durabilidade quando aplicados e suas fórmulas são mais leves e menos irritativas .

Como em adultos, retirar a maquiagem após os eventos e a noite. “Pode também passar um hidratante e um protetor solar especial para criança. É importante observar se não fica vermelho, em caso de irritação é importante procurar um médico.”

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Eu quero, eu posso, eu faço

Por Carin Hommonay Petty e Katia Simões para PE&GN

Foram 12 meses de pura rotina. Diariamente, o jovem Gustavo Ely Chehara, hoje com 27 anos, chegava às 10 horas à sala de espera da administração do Shopping Center Norte, em São Paulo, e de lá só saía às 18h, sempre com a certeza de que seria recebido. Tamanha determinação tinha por objetivo convencer o superintendente de um dos mais disputados espaços comerciais da cidade a ceder-lhe um quiosque. Tinha Gustavo Ely Chehara, 27 anos, o imediatista: "Eu sempre quero as coisas para ontem"R$ 35 mil, resultado das economias obtidas com a venda dos mais variados produtos, de jogos para videogames a perfumes e tênis. Fazer negócios sempre esteve na pauta de seu dia a dia. Na infância, vendia papéis de carta estampados com decalques; na adolescência, comandava uma loja de jogos para computador e, no início da faculdade, transformou o espaço de um salão de beleza no próprio Center Norte em um ponto de venda de perfumes importados, capaz de incomodar os varejistas do setor.

Mas nada se comparava ao passo que estava disposto a dar quando entrou pela primeira vez na sala da diretoria do shopping. "Um ano depois, quando o responsável me avisou que eu teria três dias para apresentar uma proposta, eu quase não acreditei", lembra Gustavo. "Na ânsia de batalhar pelo espaço, eu me esqueci de planejar o que iria vender. Sabia apenas que ali começaria um bom negócio."

Ele conta que não pensou duas vezes quando, almoçando com a mãe, foi abordado por um menino oferecendo docinhos de festa. "Na hora imaginei que poderia ser um produto bom para venda em quiosques e eu não tinha visto nada parecido no Center Norte", afirma. Arrematou a caixa do pequeno vendedor e apresentou-a ao superintendente, com a autoridade de quem sabia muito bem o que estava fazendo. "Quando acredito em uma ideia, não sossego enquanto não a ponho em prática", afirma. "Eu nunca quero as coisas para hoje, sempre para ontem. Sou imediatista mesmo."

Graças à postura segura e à ousadia típica de quem confessa não gostar de ouvir um não sem uma boa justificativa, Gustavo obteve o sim que tanto esperava. Mais do que isso, negociou um bom contrato de locação e a isenção de aluguel para os 20 primeiros dias. "Foi a perseverança em não desistir diante do primeiro obstáculo que me convenceu a lhe dar um voto de confiança", conta Duílio Lencione, superintendente do Shopping Center Norte. "Meu feeling de mais de 30 anos de varejo sinalizava que aquele menino iria longe."

O pai, seu Antoine Chehara, porém, não tinha a mesma certeza. A princípio, duvidou do negócio. "Ninguém pode ficar rico vendendo docinhos", dizia. Mas resolveu emprestar o dinheiro para a abertura da empresa, pois as economias de Gustavo haviam minguado nos 12 meses de espera. O acordo era de que o empréstimo fosse quitado em um ano, caso a proposta vingasse. E vingou. "Só no primeiro dia, vendi 1.153 doces. Era o sinal de um bom começo", conta o empresário. "Devolvi tudo em dois meses."

Com metas de crescimento sempre ambiciosas, em três anos Gustavo ergueu a rede de docerias Docella e construiu uma fábrica de 900 metros quadrados, que abastece as 12 lojas próprias e 42 bufês. O próximo passo, de acordo com o jovem, será lançar seu projeto de franquia. A intenção é terminar 2010 com 100 lojas em operação. "Eu sinto um enorme prazer quando atinjo um objetivo, mas no mesmo minuto saio em busca de outro ainda mais difícil. Só sei pensar grande", afirma. "Se não consigo o que quero, sofro." A vontade de querer ganhar sempre rendeu-lhe o apelido de Dunga e a fama de autoritário. "Gosto de estar no comando, não sei obedecer regras. Talvez esteja aí a resposta por eu nunca desejar ser empregado. Não tenho nada contra, apenas não consigo."

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Gel e uso preventivo de antirretrovirais trazem esperanças no combate à Aids

A Aids matou no ano passado cerca de dois milhões de pessoas no mundo, mas 2010 traz um certo otimismo com a redução de novas infecções, os novos tratamentos contra a doença e os meios adicionais para prevenir a transmissão.

aids-ribbonNeste Dia Mundial de Luta contra a Aids (1º), os especialistas e as associações recordam que, desde o início da epidemia, cerca de 30 milhões de pessoas morreram no mundo por causa desta doença.
No entanto, as novas transmissões reduziram 19% desde 1999, alcançando a cifra de 2,6 milhões em 2009, segundo a Unaids.
Além disso, o acesso aos tratamentos se ampliaram: mais de 5,2 milhões de pessoas tiveram acesso a antirretrovirais nos países em desenvolvimento, quando em 2004 não chegavam aos 700.000 beneficiários.
No entanto, o diretor executivo da Unaids, Michel Sidibé, recordou que 10 milhões de pessoas continuam à espera de um tratamento e os avanços obtidos até agora são muito frágeis por causa da situação financeira mundial.
Atualmente existe uma série de ferramentas para a prevenção e redução de riscos: o preservativo, tratamento de doenças sexualmente transmissíveis, conhecimento de seu status sorológico graças à detecção, à circuncisão masculina, programas de troca de seringas e meios terapêuticos de substituição da heroína para os viciados.
Mas na falta de uma vacina, os pesquisadores tentam acrescentar novos métodos a este arsenal.
Um dos mais promissores é a utilização dos antirretrovirais em pessoas não infectadas.
Também está se ensaiando um gel microbicida que cria uma "esperança para toda uma geração de mulheres", segundo Sidibé.
Publicado em julho passado, o estudo realizado pelo centro Caprisa em mulheres sul-africanas demonstrou que um gel vaginal microbicida a base de Tenofovir (um antirretroviral) reduz em 39% o índice de infecção sexual.
Recentemente, um estudo clínico publicado no New England Journal of Medicine demonstrou que uma dose cotidiana de uma combinação de antirretrovirais, tomados por via oral, reduz em 44% o risco de infecção pelo vírus responsável pela Adis (HIV) nos homossexuais.
Pesquisadores franceses e canadenses também falam de um tratamento 'a la carte', ou seja, administrável quando a pessoa (homossexual masculino) for manter uma atividade sexual.
Além das experiências com animais, outros dados médicos apoiam esta estratégia: desde 1994 já foram utilizados com êxito os antirretrovirais para reduzir o risco de transmissão do vírus da mulher grávida a seu filho e nos casos de exposição acidental ao vírus (por exemplo, usando uma agulha contaminada).
Os tratamentos (triterapêuticos) que reduziram espetacularmente a mortalidade nas pessoas infectadas pelo HIV também reduzem as quantidades de vírus no sangue e no esperma, o que contribui para limitar seu contágio.
Por fim, outra boa notícia é que uma pesquisa do Instituto de Métrica e Avaliação de Saúde da Universidade de Washington revela que as nações ricas quadruplicaram o financiamento de programas de saúde nos países pobres entre 1990 e 2010, fundamentalmente graças à maior conscientização da necessidade de lutar contra o HIV/Aids.

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Como a geração Y está reinventando o jeito de fazer negócios

Por Carin Hommonay Petty e Katia Simões para PE&GN

(Da esq. para a dir.): Patrícia Lens Cesar, 26, a ecológica; Patrícia Andrade Helú, 22, a determinada; Breno Masi, 26, o libertário; Gustavo Ely Chehara, 27, o imediatista; Paulo Vinícius de Souza, 23, o versátil; Bruno de Araujo, 21, o globalizadoQuando chegou apressado para a sessão de fotos de capa desta reportagem, Bruno, laptop e celular em punho, não tinha a menor ideia de quem encontraria pela frente. Mas não parecia preocupado. Logo depois chegaram as duas Patrícias, Gustavo, e por fim, Paulo Vinicius. Breno avisou que estava ocupadíssimo e não poderia participar. Perdeu a cena: os cinco jovens, todos na faixa dos 20 anos, nunca tinham se visto na vida, mas, num clique, estavam conectados.

Discutiram ideias sobre as suas empresas, abriram o computador para mostrar os planos de negócios e até chegaram a trocar figurinha do que poderiam fazer juntos no futuro. Depois de quatro horas trancados em um estúdio de fotografia em São Paulo, todos estavam tão descontraídos que dançavam para a câmera. Eis a novíssima safra de empreendedores. Sem hesitações ou medos e com uma boa dose de autoconfiança e ousadia, esses rapazes e moças estão reinventando o jeito de fazer negócios. Representantes da chamada geração You geração milênio, como foram batizados os nascidos dos anos 80 para cá, sua forma de pensar e agir pode atordoar - mas sobretudo surpreender - quem veio ao mundo antes do controle remoto. Impacientes e criativos, imediatistas e versáteis, eles começam a ganhar milhões com os seus projetos. Como? Você saberá a seguir. Pequenas Empresas & Grandes Negócios levantou as características marcantes do grupo e revela, em primeira mão, o novo rosto do sucesso.

>>>Domínio da tecnologia
Para a geração milênio, a afinidade com a internet é instintiva, seja no lazer ou no trabalho. "Eles conseguem facilmente na web informações sobre fornecedores, clientes e tendências de consumo", diz Andrew Zacharakis, professor de empreendedorismo do Babson College, nos Estados Unidos. A trajetória de Breno Masi, 26, lhe dá razão. Junto com um amigo que conheceu na rede e a ajuda de comunidades virtuais, ele foi um dos primeiros do mundo a destravar o iPhone. Divulgou a proeza no YouTube e transformou o desbloqueio em um rentável negócio. Também graças à rede, o paulistano Paulo Vinicius de Souza, 23, pôde expandir para o Rio de Janeiro as operações da Tchu-Tchuá, sua empresa de recreação e eventos, com site próprio, comandada de São Paulo. Sinal de que, nas mãos desses novíssimos empresários, a tecnologia já se tornou uma poderosa - e barata - ferramenta na busca de clientes.

>>>Mais colaboração e menos hierarquia
Se até há pouco tempo os empreendedores eram vistos como seres solitários, a nova geração se diferencia pelo alto poder gregário. "Por ter crescido no mundo online, os jovens são mais abertos a cooperar com os outros, a dividir e discutir ideias", diz Reinier Evers, fundador da Trendwatching, empresa holandesa especializada na análise de tendências. Um estudo com quase 6 mil jovens de 12 países - Brasil incluído -, coordenado pelo americano Don Tapscott, autor do best-seller Wikinomics e do recém-lançado Grown up Digital (ainda sem versão em português) apontou outra característica desses jovens: forte rejeição à hierarquia das empresas. Tome-se como exemplo o caso da FingerTips, a desenvolvedora de aplicativos para iPhone de Breno. "Não controlamos horários e nossos programadores podem trabalhar em casa", conta. "Cada um tem liberdade para encontrar a melhor forma de realizar suas tarefas", complementa ele, totalmente sintonizado com duas outras tendências apontadas pelo levantamento de Tapscott: a valorização da autonomia e a qualidade de vida.


Inovação é ponto forte dos empreendedores Y. "Eles têm mais facilidade em quebrar paradigmas para conceber novos produtos, serviços ou processos", avalia Raphael Zaremba, professor de empreendedorismo da PUC-RJ. O consultor Fernando Dolabela, que acaba de lançar Empreendedor Aprendiz, pensa parecido. "Eles não têm uma visão amarrada. São capazes de se perguntar: 'Por que isso tem que ser assim?'"

>>>Imediatismo
Eles buscam velocidade. E não só nos videogames. Acostumados a conseguir o que desejam com um clique no mouse, fazem várias coisas ao mesmo tempo e não têm o hábito de esperar. Em recente pesquisa conduzida pela MTV, 20% dos jovens brasileiros admitiram ser impacientes. Gustavo Ely Chehara, da rede de docerias Docella, é o típico exemplo. "Nunca quero as coisas para hoje, sempre para ontem", diz. Tamanha pressa pode dar agilidade aos negócios - fator essencial para o sucesso num mundo que gira cada vez mais rápido. Mas, em excesso, o imediatismo também atrapalha. "Reflexão e estratégia pedem tempo", alerta Mathieu Carenzo, diretor administrativo do Centro para Empreendededorismo da IESE Business School, da Espanha. "Eles têm dificuldade em entender que é preciso esperar para obter bons resultados", afirma David Kallás, professor do Insper (novo nome do Ibmec São Paulo).

>>>Atuação global e em nichos específicos
A mais nova empreitada do estudante Bruno de Araujo, 21, ainda não saiu do papel. Ainda assim, ele planeja, logo que abrir a empresa, despachar guitarras para o mundo todo. "Para mim, tanto faz se o cliente está na esquina, nos Estados Unidos ou na China", diz Bruno. Para empreendedores como ele, exportação não é privilégio de gente grande. "Graças às novas tecnologias, os jovens fazem negócios globais por definição", afirma Evers, da Trendwatching. A mesma lógica impulsiona a abertura de empreendimentos focados em nichos específicos, sem mercado suficiente na vizinhança, mas com bom número de consumidores. As empreendedoras Patrícia Andrade Helú, 22, e Patrícia Lens Cesar, 26, ilustram bem essa habilidade. No ano passado, elas inauguraram um site para vender roupas feitas para ficar em casa. Com o sucesso da operação, acabaram abrindo uma loja física, mas a internet ainda é responsável por quase metade das vendas.

>>>Preocupação com a sustentabilidade
As duas Patrícias e o estudante Bruno mencionados anteriormente têm uma outra preocupação comum: o meio ambiente. Ele planeja fabricar guitarras de madeira reciclada e cordas revestidas a pet, entre outras especificações verdes. Elas querem lançar uma coleção 100% sustentável, com corantes naturais e material orgânico.

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

A teia social de Eli

por Maurício Meireles para o site do SEBRAE

0,,43370540,00No galpão atrás da Igreja de Santana, no centro do Rio de Janeiro, trabalham 80 mulheres de 23 comunidades da região metropolitana. A história delas tem em comum pobreza, sofrimento e dramas familiares, em geral as três coisas. Nas mesas espalhadas pelo galpão, elas trabalham com cola, tesoura, cartolina, tecidos e outros materiais. Uma corta, a outra dobra e uma terceira costura. “Lembrem: menos é mais”, diz a artista plástica Eli Tosta ao microfone, o único jeito de ser ouvida no meio de tanta gente. Ali acontece uma oficina de artesanato ministrada pela artista, dona do Ateliê Brasil. A empresa, pioneira em fazer o meio de campo entre o Terceiro Setor e o mercado, ajuda na geração de negócios sustentáveis para comunidades tradicionais de todo o país. Eli prepara e articula grupos de artesãos para confeccionarem os produtos comercializados por sua empresa.

Você pode até não conhecer o nome, mas é provável que já tenha visto um dos produtos assinados pelo Ateliê Brasil. Com 16 anos de estrada, Eli é a principal responsável por brindes corporativos e embalagens de produtos de mais de 20 empresas brasileiras e internacionais. São bancos, mineradoras e fabricantes de cosméticos. O Banco Mundial está entre seus clientes. “Artesanato” nem é a palavra certa para explicar o que a empresa faz. Eli usa a expressão “produto social”. Tradicionalmente, o artesão é o profissional que usa uma técnica não industrial e domina todas as etapas da confecção do produto. Nas oficinas que Eli ministra pelo Brasil, ela enfatiza a importância do trabalho em equipe como caminho para chegar ao mercado. “Enquanto uma corta, a outra costura. Assim ganhamos tempo e produtividade”, diz. Outra vantagem é que o trabalho em equipe evita que técnicas artesanais desapareçam. “Se há um só velhinho no interior da Bahia que sabe fazer determinado produto, essa técnica pode morrer com ele”, afirma Eli.

O objetivo das oficinas não é apenas treinar mão de obra. Com elas, Eli cria uma rede de fornecedores em potencial, que talvez nunca conseguissem grandes clientes sem a ajuda do Ateliê Brasil. A empresa tem mapeadas 1.900 comunidades em todo o país. Se enquanto você lê esta reportagem um banco encomendar 20 mil brindes de Natal, Eli vai consultar o mapa para ver qual das 1.900 comunidades que ela visitou nos últimos 16 anos tem capacidade de atender àquele pedido com qualidade e no prazo. Com sua eficiência, o Ateliê Brasil resolveu um problema antigo das empresas: elas querem fazer negócios com o Terceiro Setor, mas não sabem quem procurar ou têm medo. Com uma empresa “séria” fazendo o meio de campo, é mais fácil para os dois lados. “Nossos produtos já saem com código de barras. Nunca perdi um prazo”, afirma Eli.

Quem prestar atenção só no jargão dos negócios que Eli usa para motivar seus parceiros pode não perceber que ali está, antes da empresária, uma artista sensível e bem-sucedida, que já expôs em museus como o Louvre e o Museu Nacional Italiano. Ela afirma que o olhar de artista – responsável por ver a beleza em folhas, madeiras e garrafas PET – botou a empresa de pé. Eli só lamenta não ter mais tanto tempo para pintar. Ela diz que acaba de abrir mão de expor na Itália por causa do trabalho.

Descendente dos primeiros italianos e espanhóis que colonizaram Mato Grosso do Sul, Eli se define como uma mulher do Pantanal. “Cada vez que começa a primavera, nem preciso fechar os olhos para ver o jardim de ipês do Pantanal, com várias cores explodindo, os bichos convivendo. Pode ter outro lugar no mundo assim, mas eu nunca vi”, diz. Eli conta que aos 9 anos “assaltava” a cozinha da fazenda da família para distribuir comida entre os ribeirinhos. Com o tempo, percebeu que dar comida podia até ajudar, mas não tiraria aquelas pessoas da pobreza. Começou a pedir ao pai que arrumasse emprego para eles. Hoje é ela quem arruma emprego para as pessoas.

A artista e empresária se emociona quando ouve as histórias de como o trabalho muda a vida das pessoas. Na semana passada, uma das mulheres na oficina do Rio dava socos numa bola de jornal que viraria a cabeça de um anjo. “Tô fingindo que isto aqui é a cabeça do meu marido”, dizia. Eli depois explicou que já viu coisas assim outras vezes: são as mulheres que apanham dos maridos. “Mas o trabalho faz com que elas se sintam úteis, recuperem a autoestima”, afirma.

A família de Bruna Gurgel, de 16 anos, foi abandonada pelo pai quando ela ainda era criança. O irmão de 25 anos era a figura paterna que Bruna tinha, mas ele foi preso há sete meses durante um assalto. “Ele era meu melhor amigo”, diz Bruna. A adolescente entrou em depressão, não saía de casa, quase largou os estudos – mas encontrou no artesanato um novo sentido na vida. Ana Alves, de 57 anos, empregada doméstica e mãe de cinco filhos, chegou a tentar o suicídio quando se viu diante do desemprego e da depressão. O aluguel da casa e o colégio dos filhos estavam atrasados havia seis meses quando a diretora da escola a contratou para fazer brindes para as crianças. Hoje, vive disso. Conseguiu comprar casa, carro e voltar às aulas de dança de salão. “O trabalho salvou minha vida”, diz ela.

Há também as histórias de transformação coletiva. Euzébio, uma cidade de 40 mil habitantes no interior do Ceará, tinha renda per capita de R$ 20. Hoje, os artesãos ganham R$ 15 por garrafa coberta com chita produzida na cidade. “Conseguimos diminuir os índices de violência, alcoolismo e outros problemas nos lugares em que fazemos negócio”, afirma Eli. O Ateliê Brasil cresceu mais do que sua fundadora esperava ou pretendia. O motivo é o aumento da demanda por produtos sustentáveis do Brasil. O caminho natural da empresa vai ser a exportação. “Já temos uma demanda grande no exterior, mas ainda não posso exportar sem que isso atrapalhe nosso trabalho no Brasil”, diz Eli.

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Saiba como divulgar o seu currículo pelo Twitter em apenas 140 caracteres

Desde que o Twitter virou um sucesso entre os brasileiros, outros costumes vieram à tona. Se no microblog divulga-se todo tipo de informação num curto espaço, por que não divulgar também um currículo em 140 caracteres?

Segundo Marcelo Abrileri, presidente da Curriculum, quem procura emprego deve também se atualizar, e as redes sociais podem ser utilizadas como um complemento no processo de recolocação profissional.

“É importante que o currículo do candidato seja amplamente distribuído. Quanto mais for disseminado, maiores serão as chances deste profissional ser visto e recolocado”, conclui Marcelo.

Uma vez com o currículo hospedado na internet, o usuário pode fazer uma “chamada” no Twitter ou em outras redes sociais, e no final colocar um link que servirá para acessar o seu currículo completo.

Luiz Pagnez, diretor do Emprego Certo, diz que o Twitter pode ajudar, sim, em complementar o seu perfil. Manter um microblog com vários posts pertinentes à sua área de atuação ajudará o profissional a mostrar seus conhecimentos e interesses a possíveis recrutadores, mas “vender seu peixe” em tão pouco espaço não é tarefa fácil.
Segundo Luiz, não é necessário criar um perfil exclusivo para divulgar o currículo, pois dificilmente o candidato vai conseguir manter dois perfis - um para uso pessoal e outro para uso profissional.

“Não adianta criar um perfil e deixar apenas um link para seu currículo publicado. O profissional deve ter conteúdo e 'vender' seu conhecimento ao mercado, atraindo seguidores que estarão dando alguma credibilidade àquela fonte de informação. Dificilmente um perfil puramente de propaganda terá milhares de seguidores. Isto vale também para a autopromoção”, afirma Luiz.

Tweets
O candidato deve ficar atento, pois tudo que for postado em seu perfil no Twitter será avaliado. Informações erradas, levianas ou informais demais poderão passar a um possível recrutador uma impressão errada.

"Se a pessoa usar o Twitter apenas para postar piadas, por exemplo, poderá levar o recrutador a pensar que ele fará isso no novo trabalho e eliminá-lo do processo. É necessário ter cuidado com aquilo que escreve, com a foto e nome utilizados para que aspectos pessoais não prejudiquem o profissional, caso uma empresa leia o seu perfil”, aconselha Luiz.

Não dá para falar tudo em 140 caracteres, mas o importante aí é colocar o que tem maior destaque na formação e experiência para tentar chamar a atenção do recrutador. Isso despertará interesse  para que ele queira ver o histórico completo do profissional em seu currículo.

Palavras-chave
De acordo com Luiz, se o profissional estiver usando o microblog como uma vitrine profissional, naturalmente seus posts estarão cobrindo ao longo do tempo as principais palavras chaves da sua área de atuação.

“É muito importante colocar, na descrição do seu perfil, sua profissão e objetivos profissionais. Mas pensando em um tweet específico de venda do currículo, não há palavras chaves. O profissional precisa descrever suas principais qualificações e ser objetivo”, explica o diretor do Emprego Certo.

Exemplos de Tweets

Gerente de RH formado pela PUC, com grande experiência em empresa multinacional e inglês fluente busca recolocação http://bit.ly/ex_curric

Busco nova oportunidade profissional. 10 anos de experiência em recrutamento e seleção, com pós graduação em RH http://bit.ly/ex_curric

Em busca de novos desafios profissionais. Designer com especialização em Gestão de Projetos e 5 anos de experiência http://bit.ly/ex_curric

por Danilo Schramm

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

O que é a tal da “compra coletiva?”

Liquidação total, o patrão enlouqueceu! Iogurte gelado de R$ 9 por R$ 2,69. Pizza grande, de R$ 35, por R$ 9,90. Depilação completa, de R$ 135 por R$ 29.

Não, gente, ninguém está doido. Essas ofertas são reais e estão na internet. Bem-vindo ao mundo das compras coletivas.

Compra-Coletiva-PousadasAtenção, mulheres! Essa reportagem é pra aquelas que se orgulham de uma compra bem feita e baratinha. Mônica Machado não perde um super desconto. Pela internet, comprou um dia de madame no spa. Banho de espuma e sais, esfoliação, escalda pés, uma sessão de reflexologia, além de uma super massagem corporal: tudo isso de R$ 459 por R$ 99! “Se o propósito era relaxar, estou super relaxada. Ainda mais para quem mora nas grandes cidades. E pelo preço, nem se fala”, diz a advogada.

Para quem ainda não embarcou nesta febre, o modelo mais comum funciona assim: um site oferece um serviço ou produto com descontão, de 50% a 90%, durante 24 horas. Mas esse preço baixinho só tem valor se um número determinado de pessoas comprar a oferta. Depois de atingido esse número mínimo, todos ganham cupons que dão direito à promoção.

“Na maioria das situações, a gente bate o mínimo por muito. A gente teve uma iogurteria no Rio de Janeiro que, acho que o número mínimo era 50, e a gente vendeu 23 mil frozen yogurts em 24 horas, que é o número que eles vendem em três meses”, diz Júlio Vasconcellos, criador do site Peixe Urbano.

Os sites de compra coletiva mexem com um fator que é fundamental napeixe-urbano hora da compra: o tempo. O relógio está correndo e o consumidor faz a compra por impulso. Muitas vezes, ele não precisa tanto daquilo que está levando, mas ele compra. A promoção está lá, vai durar muito pouco e, na dúvida, muitos escolhem aproveitar.

Difícil resistir a ofertas tão tentadoras. “Se a gente colocasse a oferta de um mês, provavelmente a pessoa ia entrar e falar assim ‘ah, será que eu compro ou não? Vou deixar pra amanhã’”, afirma Rodrigo Monzoni, proprietário e criador do Oferta Única.

A novidade que desembarcou por aqui no começo do ano faz sucesso nos Estados Unidos há um tempão.

“Pelo caso de sucesso americano, tudo indica que realmente não é um modismo, não é uma modinha. O primeiro grande site americano foi vendido com meses de existência por uma cifra maior do que US$ 1 bilhão. A gente já começa a ver compras, fusões e aquisições no Brasil, mesmo o segmento tendo pouco mais de um ano de existência. Enfim, é um modelo de negócio que já está transformando alguns empreendedores brasileiros, alguns pioneiros, em novos milionários da internet”, diz Gerson Rolim, diretor executivo da camara-e.net.

comprasJúlio é o primeiro deles. Criou o site pioneiro e abriu as porteiras para outros 40 que surgiram depois. São mais de 150 funcionários, entre redatores, designers, representantes comerciais, e, é claro, uma galera que entende de computador, programação e internet. A maioria tem entre 25 e 30 anos de idade.

O jovem site já tem mais de um milhão de usuários. O faturamento é guardado a sete chaves, mas dá pra ter uma ideia. Veja só esse caso: um hotel de luxo de Búzios, no Rio, resolveu anunciar uma mega promoção. Um fim de semana, duas diárias por R$ 580, menos da metade do pacote normal, de R$ 1.200.

À meia noite de uma quarta-feira, foi dada a largada, e, às 8h30 da manhã, 200 pacotes já estavam vendidos. Depois, ao meio-dia, tudo teve que parar, porque foram 750 pacotes vendidos. Um sucesso para todos e uma loucura no setor de reservas.

Uma jogada de R$ 435 mil. O site ficou com a metade e o hotel com a outra: R$ 217.500 em 12 horas. No fim das contas, o hotel recebeu R$ 145 por diária, o suficiente para cobrir os custos.

O lance para o empresário não é o lucro. É conquistar novos clientes, divulgar a marca.

“O nosso objetivo não foi olhar isso. A gente tem que enxergar muito além, o que a gente recebeu de retorno. Fora que esse cliente que está lá, ele consome, e tem o boca a boca. Eu sei lá que ia conseguir atingir alguém que está em Cuiabá, fora toda a ação de marketing que a gente pode fazer no pós-venda. Esse cliente pode retornar, com outras situações que a gente pode oferecer na época de baixa temporada, o nosso mailing cresce muito mais, então tem todo um trabalho que pode fazer em cima desse cliente”, explica Tatiana, diretora do hotel Marina.

O mercado de compras coletivas é promissor, mas já existe um consenso de que poucos sites devem sobreviver. Pensando nisso, os sócios Rodrigo e Antonio aboliram aquele número mínimo para a promoção valer. A pessoa faz uma compra coletiva, pero no mucho!

“Ou seja, ela não precisa esperar formar o grupo. Então, comprou, ela sabe que vai levar e ela já imprime o cupom. Ela vai poder ir ao restaurante, no cabeleireiro, na estética, na hora”, diz Antonio Mouallem, proprietário e criador do Oferta Única.

Mas em meio às tentações dos sites, vale ter cuidado. As ofertas costumam ter prazo de validade, dia e condições para serem usadas. É bom ler as instruções na compra.

“Eu fiquei bem ressabiado no início. Porque a internet a gente tem uma tendência a não confiar. E eu não tinha o costume de comprar nada. Fiquei ressabiado por colocar senha, por ser cartão de credito, mas quando eu conversei com uns dois ou três amigos, e eles já tinham comprado, fiquei mais confiante. Fiz a primeira compra, beleza. Fiz a segunda compra, beleza. Agora fico lá pesquisando pra ver o que acontece. Porque deu certo, né?”, afirma o publicitário Sidnei Oliveira.

Tão certo que Sidnei comprou um jantar de surpresa para a namorada. Ele não curte comida japonesa, mas ela sim! Desculpa, Graziela, mas vamos revelar o valor do presente. O prato, para duas pessoas, sairia por R$ 92. Com a oferta, R$ 37. Para os clientes, vale a pena.

No boca a boca, o casal convenceu dois amigos a aproveitarem a promoção também. O rapaz ganhou pontos com a namorada. A compra é coletiva e o prazer também.

Reportagem do jornal O GLOBO do dia 20/10/2010

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Tecendo o futuro

Toneladas de sobras de tecidos são descartadas no país todos os meses. A EcoSimple reaproveita essas aparas para criar um material reciclado de alta qualidade

por Marisa Adán Gil para o Pequenas Empresas & Grandes Negócios

Parece uma ideia simples: produzir e comercializar tecidos sustentáveis, que possam ser usados tanto na moda quanto na decoração. Mas foi preciso que três empresas diferentes - uma de fiação, outra de tecelagem e uma terceira focada em distribuição - se unissem para que surgisse a EcoSimple, especializada na reciclagem de tecidos. "Tem muita gente por aí que diz que faz tecido sustentável, mas não é verdade", diz Claudio Emídio Rocha, 40 anos, diretor comercial e um dos fundadores do negócio, com sede em Americana (SP). "Estão vendendo gato por lebre. O tecido da EcoSimple é feito com o mínimo de prejuízo para a natureza."

Para chegar a esse resultado, tiveram de superar alguns obstáculos. Foi necessário investir em novas tecnologias que adequassem a matéria-prima artesanal (aparas de tecido) ao processo industrial (tecelagem). Uma das soluções encontradas foi adicionar 15% de fibras de PET reciclado durante a fiação. "Dessa maneira, conseguimos fazer um fio mais resistente, pronto para o uso." Também foi realizado um trabalho de convencimento do mercado. "Muita gente pensa apenas no dia de hoje. Mas a indústria têxtil é uma das que mais agridem a natureza. Isso devia ser mais importante." Outro problema, segundo ele, é a falta de uma política de impostos adequada. "No setor têxtil não há isenções, como as que existem em outras atividades ligadas à reciclagem."

O negócio, que completou um ano de vida em setembro, deve faturar R$ 2,6 milhões em 2010 - em 2011, esperam chegar a R$ 12 milhões. "A tendência é de crescimento", diz Rocha. Recentemente, acertaram com o estilista Alexandre Herchcovitch a produção de uma linha de tecidos. Em breve a empresa deve fechar parcerias com duas importantes marcas de artigos esportivos.

Marcos Camargo

FIOS SUSTENTÁVEIS
O processo de fabricação começa com a coleta das aparas de tecidos dispensadas por empresas de Blumenau (SC). Esse material é levado para um centro de triagem em Navegantes (SC), onde famílias de baixa renda separam os tecidos por cor e tipo. A matéria-prima segue para Americana (SP), onde acontece a fiação: os fios são separados em cones e depois encaminhados para a etapa final, de tecelagem.

PADRÃO DE QUALIDADE
Funcionários vistoriam o processo para garantir a qualidade do resultado. O tecido produzido pela EcoSimple é totalmente sustentável. Já sua produção não utiliza água, produtos químicos ou corantes - a tonalidade vem das sobras de tecido originais.

DE OLHO NA PRODUÇÃO
Claudio Emídio Rocha, diretor comercial e um dos fundadores do negócio, supervisiona o processo de tecelagem: os teares transformam os fios em tecidos de diferentes cores, que serão usados na confecção de roupas, artigos esportivos e de decoração.

RECICLAGEM HI-TECH
Operadores abastecem as máquinas com os fios reciclados, já fortalecidos com a adição de fibras de garrafa PET: foi necessário adaptar a matéria-prima artesanal ao equipamento de última geração.

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Dica de beleza AEF–Aposte na maquiagem colorida no verão 2011

clip_image002

O verão 2011 tendências, cores.

A grande novidade é o uso das cores. Agora é possível misturar três tendências – a dos anos 60,70 e 80 – dentro de um mesmo look, deixando o visual mais moderno e sofisticado.
Pode ser feita uma combinação entre as cores quentes e frias.

Traços reforçados e acréscimo de cores vivas.

As tendências de maquiagem 2011 surpreendem, revelam o quanto o visual feminino pode ser inovado e ganhar características delicadas. O passo a passo para se maquiar não muda, a ordem de uso dos cosméticos deve ser respeitada por todas as mulheres, por isso o grande diferencial está nos traçados e a aplicação de cores. Cada estação tem suas influências para compor o make.

clip_image004

Tendências de maquiagem verão 2011 sobrancelhas marcadas, traços reforçados e acréscimo de cores vivas. Um resgate dos anos 80 trará personalidade ao rosto feminino. O azul promete ser um tom bastante usado na composição do make, junto com um iluminador. Reforçar o tom bronzeado da pele com naturalidade é uma outra tendência.

Dica enviada pelos Gêmeos Maquiadores Alexx e Aless da família Achar É Fácil!

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Por que os produtos eletrônicos são tão caros no Brasil?

OS OLHOS DA CARA!

O Playstation 3 foi lançado oficialmente no Brasil no último mês de agosto, com quatro anos de atraso. Agora, ele não é mais importado pelas lojas, mas diretamente pela SONY, que adaptou embalagens, manual e dá um ano de assistência técnica no País. Parecia uma boa notícia, mas o preço deixou os consumidores de cabelo em pé: R$ 2 mil. Segundo o fabricante, a culpa seria dos impostos. “De maneira geral, a taxação dos produtos eletrônicos fica entre 42% e 54% e o consumidor não tem a menor noção disso quando compra os produtos”, diz Fernando Steinbruch, diretor do Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT), sobre os impostos que incidem no país.

wii-playstation-3-xbox-360Os maiores são o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), cobrado pelo Governo Federal e o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), do governo estadual. Segundo Steinbruch, esses impostos pesam no precó final dos eletrônicos porque seguem um princípio de seletividade. “Quanto mais supérfluo for o produto, maior será o imposto”, diz. Como o feijão com arroz é mais necessário à sobrevivência do que um videogame, os geeks se dão mal.

Quando se trata de um produto importado, o caso do Playstation, ainda há a incidência do Imposto de Importação. “Nesse caso, o objetivo é proteger a indústria nacional”, diz Steinbruch. Para o tributarista, o governo não sairia perdendo com uma redução dessas taxas já que, durante a crise de 2008, baixou o IPI dos eletrodomésticos e, mesmo assim, não perdeu arrecadação porque o consumo aumentou. Poderia fazer o mesmo com o videogame pois, para muita gente, esse parece ser um produto de primeira necessidade!

por Guilherme Rosa para a revista GALILEU de novembro/2010.

E você? O que acha desta elevada carga de impostos que o nosso governos nos sujeita? Mande sua opinião!

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Com apoio do Sebrae, lan houses atenderão empreendedores

Um social game foi a maneira que o Sebrae encontrou para transformar centros públicos de acesso pago (lan houses, na definição do Centro Gestor da Internet – CGI) em Pontos de Acesso a Serviços e Produtos da mesma entidade.

Os Pontos de Acesso, ou Pontos de Formalização, oferecem cursos de capacitação e meios online de formalização para empreendedores. A partir daí surge uma nova função social para as lan houses, que em 2009 foram responsáveis pelo fornecimento do acesso a 45% dos brasileiros que usaram a internet, segundo o CGI.

O Desafio Lan Sebrae, que teve sua segunda fase iniciada no dia 27/09, é uma estratégia de articulação para a rede social Raio Brasil (http://raiobrasil.ning.com), fruto da iniciativa Sebrae-CDI, que envolve o Comitê para a Democratização da Informática (CDI), ONG que há 15 anos promove a inclusão digital no Brasil e em mais 12 países.

No Raio Brasil, mais de 1.000 proprietários de lan house mantêm contato entre si e com o Sebrae. Os membros podem participar da primeira etapa do Desafio Lan Sebrae, que se baseia em 12 atividades relacionadas ao empreendedorismo e à formalização. Após concluí-las, o participante recebe uma certificação de Ponto de Formalização da entidade provedora da iniciativa.

Mais de 100 lan houses já foram certificadas como tal. Elas agora podem concorrer a prêmios e a uma viagem a Brasília, onde poderão conhecer a sede do Sebrae Nacional. Para isso, basta que consigam se manter no topo do ranking da segunda fase do jogo social.

Nesta nova etapa, os participantes são desafiados a apadrinhar outras lan houses, levando-as a concluir a primeira parte do Desafio Lan Sebrae. Os Pontos de Formalização ganham pontos ao responder quizzes, que são elaborados para traçar o perfil dessas lan houses, dizendo se elas estão mais aptas para o oferecimento de jogos, serviços etc.

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Cuidado: não misture seu negócio com sua vida pessoal!

Por Carlos Miranda para Pequenas empresas & Grandes negócios

Outro dia estava conversando com um empreendedor que precisava de financiamento para pagar dívidas geradas por conta de ter colocado suas despesas pessoais e familiares dentro de sua empresa.
Esse empreendedor tem um negócio extremamente promissor, mas hoje essas dívidas estão tornando o empreendimento praticamente inviável.
Quando perguntei a ele como foi esse processo, me disse que basicamente foram dívidas criadas de duas formas: o seu pró-labore, que tinha um valor extremamente generoso para o tamanho de seu negócio, e as despesas de sua vida pessoal, tais como compra de automóveis para ele e a esposa e pagamento de empregados, clube e caseiro da casa de praia, entre outros.
O pior é que ele e a família foram se acostumando com o padrão de vida ligado a essas despesas, e a empresa (que era a única fonte de renda da família) estava entrando em um processo de falta de recursos para investimentos. Agora, não só o seu negócio mas também a família caminham para um colapso financeiro. Da forma mais traumática possível, esse empresário começou a aprender o perigo de misturar as pessoas físicas com as jurídicas.
Durante a nossa conversa, esse empresário comentou que achava incrível como os empreendedores de origem mais simples, que passaram mais dificuldades na vida, foram muito mais bem-sucedidos do que aqueles com melhores condições sociais.
Realmente, ele está certo. Quando olhamos as histórias de empreendedores brasileiros de sucesso, ficamos impressionados com a grande quantidade daqueles que começaram do zero ou, como diz um grande empreendedor meu amigo, do “menos dez”.
Não pretendo fazer aqui nenhum tratado sobre isso, mas, quando analisamos a história de todos eles e a forma que administram seus negócios e suas vidas, percebemos que essas pessoas são extremamente cuidadosas ao administrar os próprios recursos e os de sua organização. Na grande maioria das vezes, aprenderam desde cedo que só se gasta o que dá e guarda-se um pouco para os períodos mais difíceis. Mais importante, sabem que seu padrão de vida deverá sempre ser compatível com a remuneração que o seu negócio pode oferecer.
Um dos grandes inimigos das pessoas, e mais ainda daqueles que pretendem empreender, é a vaidade. Às vezes, empreendedores se endividam e usam a operação de suas organizações em benefício próprio, por conta de manter um “status” e mostrar uma imagem de bem-sucedido. Essa fachada irá rapidamente desmoronar se não souberem ter a humildade suficiente para viver dentro de seus recursos ou, se for o caso, dar um passo para trás para proporcionar um grande salto para frente.
Costumo dizer que, apesar dos avanços das formas de se administrar um negócio e das inúmeras formas de se
financiar o mesmo, existem procedimentos que de tão básicos são esquecidos, mas que nunca devem mudar. Por exemplo: custos e despesas devem ser menores que receita, pró-labore deve ser proporcional ao tamanho do negócio e só se tira dinheiro da empresa se ela der lucro, depois de pagar todas as suas obrigações com colaboradores e com o governo.
Realmente, isso pode parecer muito básico, e é mesmo. Isso deveria ser um mantra a ser repetido diariamente aos empreendedores, tal como um treinamento de esporte, em que os movimentos são repetidos à exaustão até serem incorporados naturalmente pela pessoa.
Esse procedimento, embora simples e óbvio, será extremamente importante ao longo da vida de uma organização, principalmente para aqueles que estão com foco em crescimento.
Fazer crescer uma organização pressupõe fazer certo desde o início. Ou seja: saber fazer contas, pagar impostos e, principalmente, respeitar o negócio, seus colaboradores e seus sócios antes de tudo.
Essas atitudes simples e óbvias serão decisivas no processo de crescimento da organização, pois trarão equilíbrio, credibilidade e, certamente, pessoas e instituições dispostas a investir no negócio. Lembre-se: menos é mais.

Carlos Miranda é presidente e fundador do fundo de Private Equity BR Opportunities, mestre em administração de empresas pelo IBMEC RJ e co-autor do livro “Empresas Familiares Brasilieiras”, organizado pelo Prof. Ives Gandra Martins

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Dicas de Maquiagem - Sobrancelhas

As sobrancelhas são as molduras dos olhos e complementam a harmonia do rosto, a sobrancelha tem a capacidade de deixar o olhar mais atraente ou até mesmo deixar com aspecto triste , por isso as sobrencelhas devem ser bem definidas e feitas da maneira correta para volorizar o seu look.

sombrancelha pinca 2

A sobrancelha perfeita não deve ser nem muito fina e nem muito grossa . Atualmente existem vários salões de beleza que disponibilizam para as suas clientes o desinger de sobrancelhas , que irá calcular a melhor maneira de fazer a sua sobrancelha afim de valorizar o seu tipo de rosto.

Vale lembrar que uma sobrancelha bem definida é capaz de fazer verdadeiros milagres até mesmo rejuvenescer alguns anos. O desenho da sobrancelha deve ser sempre proporcional ao tipo de rosto e formato de olhos, por isso não adianta querer ter a sobrancelha no formato da atriz da novela ou da melhor amiga se esse tipo não irá lhe favorecer.

Apesar de existirem várias técnicas para fazer a sobrancelha a melhor técnica é fazer a sobrancelha com a pinça. O uso da cera para delinear a sobrancelha é contraindicado para mulheres acima dos 30 anos pois pode ocasionar flacidez na pele . Outra técnica bastante utilizada é a linha egipcia, porém é um pouco mais dolorida . A manutenção das sobrancelhas deve ser realizada a cada 15 dias. Evite arrancar os pelos em casa caso não tenha experiência e os acessórios necessarios.

Dica enviada pelos Gêmeos Maquiadores Alex e Aless, da família Achar É Fácil!

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Sete dicas de economia para negócios caseiros

Escrito por Andressa Trindade para PE&GN

Uma das melhores vantagens de ser um empreendedor é ter liberdade para tomar decisões e fazer os planejamentos que julgar mais apropriados. No caso das pequenas empresas, que geralmente trabalham com orçamento mais apertado – principalmente aquelas que funcionam na casa do empreendedor –, o gerenciamento do dinheiro é fundamental para o sucesso do negócio. Por isso o empresário deve saber economizar o que for possível.

Uma seleção de ideias, publicadas no site da revista Entrepreneur, ajuda o empreendedor a entender e colocar em prática maneiras simples de economizar e, ao mesmo tempo, administrar corretamente o negócio. Confira:

1. Faça você mesmo – Começar sozinho uma empresa permite que todo o trabalho (ou parte dele) seja feito por você mesmo, e isso significa menos funcionários e corte de custos. Porém há outro benefício nessa escolha: o ganho de experiência, principalmente na dinâmica do “acerto-erro”, que é fundamental para o empresário – e não pode ser adquirida em nenhum curso, palestra ou livro, apenas com a mão na massa mesmo.

2. Publicidade – Pagar para anunciar em grandes veículos, até mesmo em sites mais conhecidos, pode custar um dinheiro muito útil para outras despesas essenciais da empresa. Por isso o empresário deve usar a internet a seu favor: postar em fóruns e blogs pode ser uma boa forma de atrair atenção para a marca e também internautas para a página da empresa. Tudo sem nenhum custo.

3. Permutas – Uma outra maneira de cortar custos é fazendo permutas, isto é, trocando serviços ou produtos por recursos necessários à empresa. Uma exemplo é contratar profissionais, como um webdesigner, e oferecer como pagamento (ou parte dele) um espaço para publicidade no site da empresa. Isso pode ser muito interessante, principalmente se o site tem boa audiência.

4. Contratação de contadores – É sempre uma boa ideia ter um contador, mas algumas dicas podem ajudar a reduzir os honorários desses profissionais. Muitos softwares, como o Quick Books, acompanham as receitas e despesas da empresa e transferem essas informações diretamente para o seu contador – fato que diminui o trabalho e tempo gasto por esse profissional. Tudo isso é traduzido em redução de custos.

5. Terceirização de pessoal – No começo de uma empresa pequena, é mais viável que o empreendedor toque os negócios sozinho. Mas, quando começa a haver crescimento, é interessante terceirizar esse serviço ou contratar free-lancers para algumas funções. A opção é benéfica porque economiza no pagamento de impostos e benefícios. Outra vantagem é poder “testar” esses profissionais antes de uma possível efetivação.

6. Estudantes como força de trabalho – A contratação de estagiários é outra maneira de economizar. Eles estão cheios de força para aprender e querem mostrar as habilidades que têm e escrever toda essa experiência nos currículos. A melhor parte é que seus salários custam menos para a empresa.

7. Networking – Envolver seu negócio em redes locais é uma boa maneira de promover você e seu negócio. Alguns sites, como o Meetups.com, são ferramentas para conectar grupos e empresas. A maioria dessas ferramentas são gratuitas ou têm custo baixo.

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Lições de empreendedorismo–de RadioHead a Tina Fey

radiohead2A banda britânica inovou ao pedir que o público definisse o preço do download de seu disco In Rainbows

Em março deste ano, a revista PEGN publicou uma reportagem dizendo que os empresários teriam muito a aprender com James Cameron, o diretor de Avatar, o filme com a maior bilheteria de todos os tempos. Construir uma visão, não ter medo de investir e pensar a longo prazo seriam algumas das lições que os empreendedores poderiam aprender com o diretor de cinema.

Carol Tice, repórter da revista americana Entrepeneur, foi além e listou uma série de personalidades da área cultural que podem servir como inspiração para empreendedores. Na reportagem, ela mostra como ideias e sugestões surgem de fontes inesperadas - prova de que o empreendedorismo está mesmo em toda a parte. Aqui, alguns exemplos.

Radiohead Quando todos se perguntavam como resolver o dilema entre garantir a sobrevivência da indústria musical e permitir que o público tenha acesso a downloads gratuitos, o Radiohead surgiu como uma ideia absolutamente inovadora: que tal permitir que o público baixe o seu disco na internet e determine, ele mesmo, quanto deve pagar? Milhões de fãs fizeram o download de In Rainbows, pagando preços que iam de US$ 0 a US$ 12, em média. Logo depois, o Radiohead lançou uma edição de luxo do álbum - os fãs não hesitaram em pagar US$ 81 pela nova versão, que vendeu 3 milhões de cópias.  Lição: a inovação pode manter seu produto atual e empolgante.

Tina Fey A escritora e atriz estava curtindo o sucesso de sua nova série, 30 Rock, quando surgiu o convite para fazer uma paródia da candidata à vice-presidência dos EUA Sarah Palin no Saturday Night Live, programa de TV no qual ela ficou conhecida do grande público. Tina não hesitou: aceitou o convite. Sua imitação da conservadora candidata foi um sucesso absoluto de público e crítica, funcionando como uma peça de personal marketing. Depois disso, Tina recebeu vários convites para estrelar filmes em Hollywood. Lição: fique sempre atento às oportundades, mesmo que já esteja fazendo sucesso.

Christopher Nolan O diretor de cinema tinha na mão um produto bem conhecido do público: os filmes de Batman, o herói dos quadrinhos adorado por fãs em todo o mundo. Tudo que precisava fazer era criar uma nova embalagem. Ele foi muito além: renovou totalmente a marca Batman, mergulhando no lado mais sombrio e perturbado do personagem. Além disso, investiu em jovens talentos, fazendo com que o ator Heath Ledger alcançasse o ápice da carreira como o vilão Coringa. Resultado: seu prestígio em Hollywood triplicou, possibilitando que fizesse filmes ainda mais ousados, como o recente A Origem. Lição: a coragem de renovar uma marca conhecida pode trazer mais vantagens do que você imagina.

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

As similaridades entre começar um negócio e escalar um elenco para um filme

Escrito por Rafael Farias Teixeira para a PE&GN

cadeira_diretor-cinema1A 34ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo já começou, criando intermináveis filas nos principais cinemas da cidade. Em um post anterior, comentei a importância de festivais como esse para pequenas produtoras e diretores iniciantes. Hoje volto novamente para falar da mistura “cinema + empreendedorismo”, depois de encontrar uma tabela bastante divertida comparando o ato de abrir uma empresa ao de escalar um elenco para um longa-metragem, do blog do Grasshopper Group.

Vamos a algumas comparações:

Começando pelo roteiro: Se, no caso do cinema, você precisa ter um roteiro antes de começar a pensar em filmar, no caso de um novo empreendimento, é preciso um plano de negócios – que não deixa de ser um roteiro também, mas sem as reviravoltas e os pontos climáticos. Os dois servem para que você não tenha surpresas quando os holofotes finalmente forem ligados – ou quando você resolver abrir as portas.

Conheça suas necessidades de pessoal: No caso de produzir um filme, isso se refere à demanda por atores. Aqui é preciso saber que papéis existem e quem pode interpretá-los de forma eficaz, ou, na linguagem empreendedora, quais vagas serão necessárias e quem será capaz de cumprir cada uma de suas funções. Você não vai querer dar o papel principal de sua adaptação de Ms. Dalloway, de Virgínia Woolf, para alguém como Megan Fox. Prefira alguém como Nicole Kidman e deixe a primeira para um papel secundário – bastante secundário se você preferir. Ou seja, não contrate pessoas despreparadas para cargos importantes.

Uma ajudinha extra: Escolha bem seus gerentes ou os seus diretores de escalação. É sempre bom a participação dos dois cargos na hora de escolher quem vai estrelar o seu filme.

Faça testes: Ninguém contrata um profissional, seja ator ou funcionário, sem antes entrevistá-lo e até mesmo testá-lo (mas nada de teste do sofá, ok?). No caso da escolha de um elenco, você precisa ver cada um deles representando e lendo falas. No caso de montar uma equipe para sua empresa, uma entrevista com perguntas e respostas é feita. Mas o melhor mesmo é fazer um teste em que o candidato possa mostrar se possui habilidades e conhecimentos necessários para a vaga.

Related Posts with Thumbnails
 
Contador de visitas
Contador de visitas